quarta-feira, 26 de abril de 2017

The Filth

THE FILTH - 13 EDIÇÕES
Tradução e Letras: SóQuadrinhos/Os Invisíveis/
Gibiscuits/DarkSeid Club/Quadrinhos Inglórios




PARA BAIXAR, CLIQUE AQUI

"Somos a Mão que limpa o cu do mundo".

Greg Seelly é Ned Slade. Mas, ele não sabia disso até que estranhos invadem sua vida e o levam de volta à Mão, uma agência secreta que está acima de todas as outras. 

Ned é levado de volta para voltar a ativa. Dizem a ele que Greg é apenas uma pessoa que foi inventada para que ele pudesse tirar umas férias de sua vida de superespião. O problema é que Slade não consegue lembrar de que algum dia foi Ned Slade e quer voltar para sua vida pacada de cidadão de meia idade, que ocupa seu tempo cuidando de seu gato Tony, e se masturbando compulsoriamente. 

Mas, a Mão precisa de Slade para enfrentar Spartacus Hughes, um ex-agente da mão que quer destruir o mundo apenas por diversão. Para isso ele se apodera da criação de uma cientista genética que criou uma espécie de vida microscópica para combater doenças. Mas, algo deu errado, e aquilo está matando pessoas. Mas, tudo isso é apenas a ponta do iceberg de sujeira. 

Grant Morrison e Chris Weston criam algo que consegue ser tão mais bizarro e hermético que Os Invisíveis. Como a maioria do que Morrison escreve, The Filth não é sobre entender a história, mas sobre viajar no mesmo ácido que o carequinha experimentou. Entender é subjetivo. 

Na verdade, ficamos tão perdidos quanto Greg/Ned, que não consegue saber qual, de fato. é a sua verdadeira personalidade: se o perdedor, amante de gatos e punheta, ou se é o superespião fodão que usa uma peruca e roupa pra lá de ridículas. 

O scan não tem a melhor das qualidades, mas isso provavelmente é culpa de serem os únicos scans que existem da obra, que não deve ter sido relançada até hoje, para serem feitos novos scans. Assim, o pessoal dos grupos que traduziram e letreiraram fizeram um trabalho e tanto trazendo essas edições até nós em circusntancias precárias. 

Leia e se perca na insanidade do King Mob. 





Um comentário: