terça-feira, 22 de março de 2016

Monstro do Pântano - Livro Um

MONSTRO DO PÂNTANO - LIVRO UM
Digitalização e Ajustes by HORDA Comics

PARA BAIXAR, CLIQUE AQUI

O mais distante na memória que me lembro de ler Monstro do Pântano é na revista Superamigos da Editora Abril. O verdão era publicado pela EBAL anteriormente, mas eu nunca o li, provavelmente porque não me interessava em um gibi sobre um vegetal ambulante. Claro, eu não sabia o que estava perdendo. 

Mesmo antes de Alan Moore, Monstro do Pântano já era um gibi imperdível, hoje em dia percebo isso. Quando comecei a ler Supermigos, lia aquelas histórias incríveis, mas ainda era mais ligado às histórias de super-heróis. Alan Moore? Não fazia a mínima ideia de quem era. 


Para se ter uma ideia de como eu dava pouca atenção, quando soube que John Constantine tinha surgifo nas páginas de Monstro do pântano, eu o confundia com Anton Arcane. Acha que ele era o vilão. 

O fato é que, passado o tempo, quando comecei a escanear, voltei a ter contato com esses quadrinhos. Muita gente enviava scans dos formatinhos e da revista solo que a Abril lançou, com aventuras de Alec Holland e John Constantine. 

Assim como tentei com os quadrinhos de Hellblazer, também tentei publicar Monstro do Pântano em ordem de numeração original. E, assim como em Hellblazer, era complicado, ainda que menos. 


Mas, o fato é que a Abril publicara o personagem em formatinho e depois em formato americano. Em vez de reiniciar, ela apenas continuou e a diferença de um formato para o outro fazia com que os scans dos dois tivessem uma diferença gritante.

Quando a Brainstore, antiga metal pesado, começou a lançar encadernados, minha esperança de que poderia escanear com melhor qualidade se renovou. Se renovou e se destruiu em seguida quando vi que os encadernados eram em preto e branco. 

Nada contra o preto e branco, quando os originais são assim, como era o caso de A Espada Selvagem de Conan, por exemplo. Essa decisão não era estética, era financeira. Os encadernados eram tão caros quanto se fossem coloridos. Só foi até o segundo volume, claro. 


Então, o jeioto foi continua tentando arumar os scans de formatinhos e formato americano da Abril. Para se ter uma idea, na tentativa de melhorá-los, eu até baixei scans em inglês, apaguei os balões, e transcrevi os textos dos scans de formatinho, tendo que completar os textos editados pela Abril, assim como perceber que páginas inteiras tinham sido cortadas. Dessa forma a fase Alan Moore foi completada. Assim pensava eu. 

Um grupo, que não me lembro agora, traduziu e letreirou o número 20, que era onde Moore realmente começava, com a história "Pontas Soltas". Graças às editoras e suas decisões editoriais estranhas, eu achava que a fase dele começasse no número 21. Só assim, graças a este grupo, tivemos a fase realmente completa em scans. 


Outros grupos continuaram produzindo a fase seguinte, a que Rick Veitch passou a escrever, além de ilustrar. E, creio que foi completada ou quase. Não tenho certeza. 

Quando a Pixel adquiriu os direitos sobre o material da Vertigo, pensei novamente, que agora teríamos Monstro do Pântano em scans de qualidade. Novamente só tivemos o primeiro volume, que foi digitalizado. E tudo parou aí. Mas, a Panini retomou a publicação do elemental e já completou a fase Alan Moore. Se vai continuar com a de Veitch, não sei dizer. 

Mas, ao menos uma parte que nenhuma editora conseguiu antes, já foi feita. Neste volume, eu coloquei as três páginas de introdução escritas por Alan Moore, publicadas na edição da Pixel, que não foi publicada nessa. No mais, mergulhem de cabeça no pântano. 

Nenhum comentário: