terça-feira, 11 de dezembro de 2018

Mulher Maravilha - Vol. 03

MULHER MARAVILHA DE GEORGE PEREZ - VOL. 03
Digitalização e Tratamento: Out, The Sider Z/HORDA Inc.

PARA BAIXAR, CLIQUE MEDIAFIRE ou MEGA

George Perez deixa claro que não é apenas um desenhista monumental mas um roteirista tão bom quanto. Neste terceiro volume somos apresentados á Cisne Prateado, uma moça que entra em combate com a Mulher Maravilha, mas que não é uma simples vilã. A coisa é mais complicada.

Em seguida, temos uma inserção da Action Comics #600, onde ela encontra Superman, e oss dois demonstram que sentem uma baita atração um pelo outro, mas, o empata-foda do Darkseid aparece e as coisas não terminam como Kal-El pretendia. 

Não sei onde li certa vez alguém dizer que a Mulher Maravilha não tinha nenhuma fase relevante. Com certeza a pessoa nunca leu esta fase e se leu, não captou nada da sua importância e grandeza. 

Perez reformulou a Mulher Maravilha tão bem quanto Miller fez com Batman e Byrne fez com Superman, deixando claro que a Trindade merecia esse tratamento. Perez ilustra Mulher Maravilha como ela merece e parece ter nascido para desenhar os deuses do Olimpo. 




segunda-feira, 10 de dezembro de 2018

Trillium

TRILLIUM - JEFF LEMIRE
Digitalização e Tratamento: Renato PLT/HORDA Inc.

PARA BAIXAR CLIQUE EM MEGA ou MEDIAFIRE

Jeff Lemire é incansável. Esta HQ para o selo Vertigo é uma das melhores coisas em matéria de FC últimos tempos, nos quadrinhos. Eu li o tempo todo imaginando como seria isso em um filme bem feito. 

Nika faz parte de um expedição espacial que tenta salvar os cerca de 4.000 humanos remanescentes da Terra. Um vírus consciente chamado Coifa exterminou a humanidade. Num planeta distante, uma tribo de alienígenas femininas tem a salvação, um flor chamada Trillium. 

William é um ex-soldado, traumatizado pela Primeira Guerra Mundial, que descobre que resolve fazer uma expedição às selvas peruanas para descobrir um suposto tempo que poderia conter até mesmo o segredo da vida eterna. 

Nika e William acabam se encontrando. O tempo e espaço, nos lugares onde eles estão parecem se encontrar e criar um portal. Lutando para entender o que cada um diz, os dois precisam, de alguma forma, salvar a humanidade. 

Lemire traz sua bagagem de autor independente para os quadrinhos das grandes editoras e cria pérolas como Trillium. 





O Árabe do Futuro

O ÁRABE DO FUTURO - RIAD SATTOUF
Arquivo enviado por ARQMAN/HORDA Inc.

PARA BAIXAR, CLIQUE EM MEGA ou MEDIAFIRE

Riad é um garotinho, filho de pai árabe da Síria e mãe bretã. Com seu cabelo loiro - herança da mãe -, se torna o centro das atenções onde quer que vá. 

Riad é nosso guia, nos  levando por sua vida de criança, que transita entre o mundo árabe o mundo ocidental, conhecendo. Primeiramentre na Líbia, onde o pai foi convidado a trabalhar. Riad logo percebe a diferença gritante entre os dois mundos, ainda mais quando o pai resolve retornar a França. 

Riad percebe o quanto as pessoas são diferentes lá e cá. As avós paterna materna são como pessoas vivendo em planetas diferentes. Riad tenta absorver tudo aquilo e aprender, mesmo tão novo.

A memória do autor é prodigiosa que, mesmo que ele preencha lacunas com a imaginação, se percebe que são momentos que ele realmente se lembra, principalmente aqueles com o pai, que considera seu herói. 

E sua memória afetiva não se exime de mostrar o mesmo como ele realmente era, com seus preconceitos e e outros defeitos. Mesmo tendo vivido fora da Síria por tanto tempo, e se dizendo não religioso, o pai não consegue fugir às suas origens. 

Enquanto isso, Riad interage com crianças de sua idade e, mesmo sendo perseguido, por ser tão diferente naquele lugar, não desiste de continuar tentando. 

As memórias de Riad nos mostra o mundo árabe por seus olhos, como uma pequena amostra daquilo que ele realmente é. Ou seja, algo bem mais profundo. 

É uma bela biografia de uma criança. 





domingo, 9 de dezembro de 2018

Lendas

LENDAS - LEN WEIN/JOHN OSTRANDER/JOHN BYRNE
Digitalização e Tratamento: Out, The Sider Z/HORDA Inc.

PARA BAIXAR, CLIQUE EM MEGA ou MEDIAFIRE

Vamos lá ao que o povo gosta, ao que o povo quer. O volume encadernado de Lendas, que é o título original, e não "Darkseid". 

O grande problema de Crise nas Infinitas Terras é que foi estramboticamente fodástico,  tal ponto que nenhuma outra super-saga conseguiu igualar ou superar. Você, que é fã de quadrinhos de super-heróis (não falo aqui dos haters modinhas) pode ler Crise 678 vezes e se divertirá em todas elas. Já as que vieram depois...

Mas, sejamos justos, Lendas é bem bacana, também. Principalmente porque estava naquela vibe bem próxima de Crise, durante as reformulações e, caramba, tinha John Byrne no auge. 

Lendas foi a primeira saga a reunir os heróis DC logo depois de Crise nas Inifinitas Terras. Nela, um clamor anti-heróis é iniciado por um homem, G. Gordon Godfrey e Darkseid está nos bastidores, se aproveitando deste momento. Quando uma tragédia acontece com o Capitão Marvel, o ódio so heróis aumenta ainda mais, e Billy Batson passa a ficar recluso. 

Em lendas temos o surgimento do Esquadrão Suicida e a Liga da Justiça Internacional começa a se formar ali. 





quinta-feira, 6 de dezembro de 2018

Patrulha do Destino - Vol. 04

PATRULHA DO DESTINO - VOLUME 04
Digitalização e Tratamento: Out, Sider The Z/HORDA Inc.

PARA BAIXAR, CLIQUE EM MEGA ou MEDIAFIRE

Dando prosseguimento às aventuras da Patrulha do Destino, vamos agora saber a origem do Herói da Praia Flex Mentallo, que viria a ganhar uma minissérie solo com a arte de Frank Quitelly. 

Flex sabe que há algo escondido nos recônditos do Pentágono e foi isso que o levou a derrocada. Tentar enfrentar aqueles homens e tentar transformar o Pentágono em um círculo, levou o Homem Músculos a cair no esquecimento. Porém, a Patrulha do Destino conseguiu encontrá-lo. Ainda assim, há mais segredos sobre Flex Mentallo, que nem ele mesmo sabe. 

A história O Caçador de Barbas me leva a acreditar que Morrison tenha feito uma singela homenagem ao barbudo Alan Moore e deixado assim transparecer certos desejos seus concernente ao mago da rabugice. 

Enquanto isso, a Irmandade Dadá esta prestes ter seu retorno. O Sr. Ninguém achou um jeito de sair da pintura a que foi aprisionado pela Patrulha. Porém, ele vai precisar de novos asseclas e ficamos assim conhecendo mais novos vilões dadaístas. 





quarta-feira, 5 de dezembro de 2018

Cruzada Infinita

THANOS - CRUZADA INFINITA
Digitalização e Tratamento: Out, The Sider Z/HORDA Inc.

PARA BAIXAR, CLIQUE EM MEGA ou MEDIAFIRE

E chegamos ao fim do Mês de Aniversário do Rapadura Açucarada, a Black Friday que vale. E, claro teria de ser com a terceira parte da trilogia Infinito (que depois teria mais infinitos Infinitos), totalizando 1230 páginas de Jim Starlin, mais 1705 páginas de outros especiais, num total de 2.935 páginas de presente de aniversário, isso sem contar com aqueles enviados pelos colaboradores. É, foi um aniversário e tanto. 

Depois de enfrentar Magus, no volume anterior, que é a parte maligna de Ada Warlock, já conhecido dos leitores há tempos, ele agora conhecerá sua parte benévola, conhecida como Deusa. Ela fará um recrutamento de várias super-heroínas e de alguns super-heróis, usando um método bem contujndente de lavagem cerebral. 

Um batalha entre os que a seguem e entre aqueles que não a seguem é inevitável, ainda que os motivos sejam um tanto obscuros. 

O volume traz a minissérie principal e edições de The Infinity Watch e Warlock Chronicles que entremeiam a edições da minissérie. A arte de Rom Lim é aquela mesma, na mini, mas temos Tom Raney e Angel Medina nas edições que complementam este tomo. 

Há uma decaída visível com relação às duas anteriores, principalmente com reçlação ao primeiro volume quye trazia George Perez em boa parte da arte e torna-se mais um volume de fechamento mesmo, ainda que Starlim pareça querer tornar esta saga... Infinita.



terça-feira, 4 de dezembro de 2018

Nada a Perder

NADA A PERDE - JEFF LEMIRE
Digitalização e Tratamento: Renato PLT/HORDA Inc.

PARA BAIXAR, CLIQUE EM MEGA ou MEDIAFIRE

O quanto nossas vidas podem ser afetadas por viver em um lar abusivo? O quando uma vida pode ser levada ao fundo do poço por ser obrigado a repetir os erros ensinados por outra pessoa? 

Derek é um cara grande que vive arrumando confusão na cidade onde vive, no meio do Canadá. Ex-jogador de hóquei, agora trabalha em uma lanchonete. Sua vida se resume a fritar ovos, beber muito e entrar em brigas. Isso parece ser satisfatório, não fosssem os fantasmas que o assombram. 

Porém, num dia como outro qualquer na vida de Derek, um desses fantasmas do passado aparece em sua porta e seu mundo vira de cabeça para baixo. Derek, que mal consegue ajudar a si mesmo, agora precisa ajudar outra pessoa. E ele não sabe fazer isso sem usar violência. É algo novo. Ou nem tanto assim. 

Nada a Perder é sobre estar no fundo do poço (o apelido da cidade onde ele vive é Pit), ter desistido de ter uma vida que valha a pena e, de repente, descobrir que vale a pena tentar escalar aquele buraco e, no processo, tirar mais alguém de lá. 

Nada a Perder é sobre se libertar de si mesmo. 



Mulher Maravilha - Vol. 02

MULHER MARAVILHA DE GEORGE PEREZ - VOL. 02
Digitalização e Tratamento: Out, The Sider Z/HORDA Inc.

PARA BAIXAR, CLIQUE  EM MEGA ou MEDIAFIRE

Continua a fantástica fase escrita e desenhada por George Pérez, com a ajuda de Len Wein.

Começa com uma recapitulação de tudo que a Mulher Maravilha viveu no lapso de tempo entre o primeiro e o segundo volume, incluindo a participação na primeira saga após Crise nas Infinitas Terras, a saber, Lendas. 

Logo depois, Diana enfrenta sua primeira grande inimiga no mundo dos homens, a Mulher-Leopardo. Um combate que faz com que a heroína precise enfrentar uma irmã, uma mulher.

Porém, o maior desafio da amazona virá mais adiante, quando, ao enfrentar Zeus, é julgada e obrigada a cumprir sua pena lutando para sobreviver.

Muitas surpresas a aguardam, incluindo um encontro de Diana com ninguém menos que... Diana.




Romeu e Julieta

COLEÇÃO SHAKESPEARE EM QUADRINHOS: ROMEU E JULIETA
Arquivo enviado por A Girl Without a Name/HORDA Inc.

PARA BAIXAR, CLIQUE EM MEGA ou MEDIAFIRE

O papa é pop, mas Shakespeare é mais. No último volume desta coleção, temos a história de amor mais famosa de todos os tempos: Romeu e Julieta. 

Rivalizando com Hamlet em popularidade, esta peça do escritor inglês já foi cantada em prosa e verso, já tece várias versões cinematográficas e, mesmo em quadrinhos, esta não será nem a primeira nem a última versão. 

Eu mesmo, há milênios atrás, já li uma HQ com as versões de Romeu e Julieta, Hamlet e A Tempestade em único volume, do quadrinhista italiano - conterrâneo do casal - Gianni De Luca, que usava um estilo de quadrinização que já foi copiado até por Frank Miller. Mas esta é outra história. 

Esta versão brasileira da peça não resiste em que a arte seja no estilo mangá. Apesar de já ter perdido boa parte de meu preconceito contra o estilo, ainda achoque nem tudo dá paara ser "mangarizado". Mas, o que vale é a intenção. 

A história de amor proibido ganha esse ar ainda mais juvenil, por conta disso e, paraa o bem ou para o mal, torna a história mais acessível para os mais jovens, que talvez vejam nisso, uma chance de conhecer melhor a história escrita por Shakespeare. 





segunda-feira, 3 de dezembro de 2018

A Dinastia Pato e a Censura

HISTÓRIA E GLÓRIA DA DINASTIA PATO 
E A DITADURA MILITAR NO BRASIL
Digitalizações e Tratamentos: Out,The Sider Z/HORDA Inc.


PARA BAIXAR, CLIQUE MEGA ou MEDIAFIRE

Vamos falar sobre censura nos tempos da Ditadura Militar. Mas, não pense que é sobre a censura a programas de TV, a artistas e suas músicas "subversivas" ou a filmes de cinema escandalosos, é a censura a quadrinhos direcionados primariamente a crianças, os quadrinhos da Disney publicados pela editora Abril. 

Hoje em dia, nós, nerds, sabemos que a grande maioria dos quadrinhos da nossa época, principalmente os da editora Abril, eram tesourados. Nos quadrinhos de super-heróis, isso tinha muito a ver não apenas com censura, mas com falhas de tempo entre a publicação nos EUA e aqui, o que criava problemas na cronologia das histórias. 

Outro problema era justamente o formato menor. O formato americano, ao ser reduzido para o formatinho, exigia que os textos também fossem mais reduzidos nos balões. O caso mais emblemático de censura, que provavelmnet já era de uma censura interna da própria editora Abril, haja visto a ditadura já estar em decadência, foram as cenas entre Tristã (Tristão em corpo de mulher) e Isolda em Camelot 3000, que foram deletadas. 

Quanto à censura da ditadura propriamente dita, deixemos a EditoralAbril nos falar sobre ela um pouco, em parte do texto publicado das reedições História e Glória da Dinastia Pato: 

"A saga dos patos estreou em português na edição 108 de Tio Patinhas, lançada em julho de 1974. Em plena ditadura militar e sob a vigência do AI-5 (um dispositivo arbitrário que dava plenos poderes ao governo federal e aos seus truculentos agentes), as editoras enfrentavam a marcação cerrada da censura e, caso o conteúdo de suas publicações desagradasse aos generais de plantão, corriam o risco de ver seus produtos recolhidos das bancas. 

Conforme a gravidade da situação , outras sanções mais contundentes eram aplicadas, incluindo prisão e tortura de supostos transgressores. Esse contexto sombrio ajuda a explicar os cortes e as alterações que o material ITALIANO sofreu na versão nacional. 

Logo no início do primeiro episódio, por exemplo, artistas brasileiros apagaram da mão de Donald o batedor de tapetes com que ele ameaçava espancar os sobrinhos. Mais adiante, na viagem espacial, os responsáveis pela edição do texto suprimiram a menção à bebida alcóolica que o Prof. Pardal oferece ao Tio Patinhas. 

Em respeito à intenção dos autores, a obra aparece intacta neste volume (a reedição em dois volumes). E o título Ribombo Lunar, fiel ao original, substitui aqui o nome O Segredo do Baú, dado a HQ em 1974."



Provavelmente a Abril já praticasse a auto-censura, se adiantando assim aos desmandos da ditadura, como fizeram por bastante tempo os editores de quadrinhos dos EUA unidos durante o uso do selo Comics Code Authority que, para não perder dinheiro, já faziam eles mesmos os cortes necessários, nesta ditadura imposta aos artistas graças ao psiquiatra Fredric Wertham.

Também cortaram várias páginas inteiras, num total de 26. Oito páginas,na história No Mississipi, renomeada Os Canhões do Missisipi no lançamento duplo e 18 páginas no capítulo final num total de 26 páginas. Quando os capítulos foram reunidos em um Disney Especial, o de número 100, essas páginas cortadas fizeram falta, já que a coleção Disney Especial devia ter um número de páginas que a saga, por causa dos cortes, não alcançava. A solução? Os artistas brasileiros tiveram que inventar um novo capítulo intitulado A Quinta Mosqueteira, com a participação da Margarida. Este capítulo não se encontra na reedição dupla, pois as páginas que faltavam foram restauradas. 



O que essa história toda vem nos mostrar é a arbitrariedade daqueles tempos, que viam até mesmo em histórias infantis, produzidas em outro país, uma ameaça à segurança nacional. Para se ter uma ideia da paranoia, uma das histórias se chamava originalmente, "O Rei da Arena", mas foi intitulada, em 1974, "O Grande Toureiro". É bem provável que a mudança do título se desse porque Arena era o nome do partido da ditadura. 

Este artigo é uma espécie de remake de um que fiz em 2012, e achei importante trazê-lo de volta. Não é apenas um copy/paste, então, se quiser lero original, ele continua AQUI. Eles se complementam.

Também serviu para eu repostar os scans, que servem para que você mesmo faça suas comparações e se "divirta" vendo o quanto perdemos quando crianças e o quanto podemos perder agora, quando adultos. Afinal, não podemos nos deixar ser feitos de... patos.